Artigo de Opinião – #2.Os milhões que movimentam o futebol


Dinheiro. Á volta dito se orienta o futebol. É o futebol, a politica, as ciências, as tecnologias, o resto do mundo. É tudo isso e o resto que nos rodeia e nos compõe a vida. Aquilo que fomos, aquilo que somos e aquilo que seremos. É o dinheiro que movimenta multidões e multidões que movimentam o dinheiro. Neste exemplo em concreto, são os milhões que movimentam o desporto, neste caso, o futebol. Desporto esse que é praticado há centenas de anos, mas que nunca envolveu tantos fundos como hoje em dia. Nos tempos que correm, quem não tem dinheiro não faz nada no futebol (nem em lado nenhum). Quer em contratações, em manutenção, etc… Não conquista troféus, mas dá uma grande ajudinha nesse objectivo de praticamente todos os clubes. Para fundamentar essa pequena “teoria” irei dar dois exemplos, de vários, desse “titulo alternativo”. Um clube é estrangeiro e outro é Português. Mas poderiam ser dois de fora ou dois Portugueses. Mas aqui também quero salientar a diferença que existe entre vários campeonatos europeus. Financeiramente, porque em termos de qualidade de jogo, as diferenças notam-se cada vez menos. Os exemplos estrangeiros poderiam ser vários: Man. City de Inglaterra; Málaga de Espanha; PSG de França e até  o Anzhi da Rússia. Todos estes clubes têm uma semelhança: as suas contas bancárias aumentaram devido ás “injecções monetárias” por parte de estrangeiros milionários (‘Sheiks’). Foram milhões e milhões a rodar neste sistema e nestes clubes. Por parte dos Portugueses, também os exemplos são vários: a União de Leiria, o Feirense, a Académica e outros tantos, até os de 3ª e 4ª Divisão. Desta variada e extensa lista, irei escolher dois, como já disse. Os escolhidos são: O Manchester City, de Inglaterra e o União de Leiria. Iremos então começar pelo mais rico, o Manchester City. Aqui, no City falamos “apenas” de muitos milhões a rodar todos os anos. Falamos mais propriamente entre os 80 e os 100€ Milhões em transferências. Fora as manutenções, os ordenados e salários, transportes, etc… Ou seja, o “tecto monetário” é extremamente elevado e avançado nestes clubes estrangeiros. Irei indicar alguns factores que contribuem para esses factos:

  • Boas “injecções” de dinheiro todos os anos. Todos os anos são postos á disposição do clube vários milhões de Euros. Esse valor conta também para outros serviços acima citados;
  • Bons acordos e bons patrocínios. Aqui contam todos os patrocínios que rendam bom e muito dinheiro aos cofres do clube. O valor mais frequente dos patrocínios é cerca de meio milhão de Euros para as duas partes envolvidas. Os ‘sponsors’ são das mais variadas: desde companhias aéreas (Fly Emirates) até companhias de seguros, marcas de automóveis, empresas das mais variadas categorias e até operadoras telefónicas. Existem também acordos com as marcas de equipamentos: Adidas, Nike, Puma, Umbro, etc…;
  • Venda e compra de jogadores. Aqui neste exemplo, as e compras funcionam num sistema alucinante. São chamadas mais popularmente de “Transferências à FC Porto”. Por exemplo, o City entra no mercado sul-americano e mete os ‘scouts’ em pesquisa de talentos. Encontram dois jogadores na média dos 18/19 anos de idade e compram esses dois por 1,5€ Milhão e metem-nos ao serviço do clube. Passado 2/3 anos aos serviços do clube, esse clube vende o 1º por 20€ Milhões e o 2º por 25,5€ Milhões, ou seja, a ‘income’ é de 40€ Milhões por dois jogadores.
  • Bom staff e equipa técnica. Aqui entenda-se todas as pessoas que estejam relacionadas, directa ou indirectamente,   á estrutura do clube. Aqui todas essas pessoas contribuem para o bom sucesso do clube, até o Massagista.

Falemos agora do exemplo Português, um clube pobre em questões financeiras e de mão-de-obra, a União Desportiva de Leiria. No Leiria existem vários problemas, entre os quais:

  • Poucos fundos monetários. Actualmente o clube não está, mas ronda a ruína. O clube dispõe de pouco ou nenhum dinheiro para os seus deveres para com os outros, nomeadamente os salários aos jogadores;
  • Falta de pessoas que poderão investir no clube. Neste exemplo e como já disse neste texto, faz falta um ‘Sheik’ que venha das Arábias com 40/50€ Milhões e meta no clube;
  • Roubos internos. Existem pessoas internas ao clube que se aproveitam do bem das outras. Essas pessoas “metem no bolso” o dinheiro que serviria para o desenvolvimento e percurso do clube;
  • Fraca estrutura interna. O clube tem este pilar cada vez mais débil. E quem o debilita cada vez mais é o Sr. Presidente, João Bartolomeu. Sinceramente, este não é o homem indicado para estar neste cargo, à frente da SAD de um clube. É um homem que dá duas opiniões em dois dias. E contraditórias, ainda por cima;
  • Falta de boas transferências. Como fazem outros clubes, compram por uma pechincha e vem por Milhões;
  • Má gestão de dinheiros. Consiste no que acima foi disto acerca dos roubos internos.

Ficamos por aqui e espero que tenham gostado.

[Artigo Escrito no Antigo Acordo Ortográfico]

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: